Corvos e mochos

Piaram, crocitaram corvos, mochos Sobre o telhado deste vate, aedo... Pouca importância dei, nem tive medo... (Cristo recém-nascido jaz num cocho...)

Enzo Morossini Tatoo

 

Piaram, crocitaram corvos, mochos
Sobre o telhado deste vate, aedo…
Pouca importância dei, nem tive medo…
(Cristo recém-nascido jaz num cocho…)

Há trevas eu percebo claramente,
Pairando sobre o mundo nebuloso…
Eu nasci num lugar mui tenebroso…
Eu mesmo quem liberto minha mente!!!

Solitário, isolado, emparedado
Também eu moro dentro dum barril,
Qual Diógenes… que povo baixo, vil…

Os livros são o que tenho herdado…
Corvos, mochos me inspiram belos versos…
Longe de mim tiranos e perversos!!!


04/06/2019
IV/VI/MMXIX


JUDDÁ SAMUEL
IMAGEM DA INTERNET

soneto simbolista.

ESCREVA SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui