Falar de qualidade dos alimentos é ainda mais importante que de quantidade

“Comer muito açúcar não faz bem, mas mais importante para prevenção é a alimentação balanceada”, diz endocrinologista Simão Lottenberg

Foto: USP

“Comer muito açúcar não faz bem, mas mais importante para prevenção é a alimentação balanceada”, diz endocrinologista Simão Lottenberg


Editorias: Jornal da USP no Ar – URL Curta: jornal.usp.br/?p=287167

O diabete, doença que acomete 16 milhões de brasileiros, é comumente associado à obesidade. O endocrinologista Simão Augusto Lottenberg, do Hospital das Clínicas (HC) da Faculdade de Medicina (FM), defende que falar da alimentação em quantidade é bom, mas que a qualidade dos alimentos é ainda mais importante na luta contra a epidemia. Ele enfatiza que os magros também são sujeitos ao mal, e o peso ideal deve ser almejado, ressaltando atividades físicas e hábitos saudáveis, neste Dia Mundial do Diabetes (14).

“Não é só o açúcar, mas é lógico que comer muito açúcar não faz bem. O importante para a prevenção é uma alimentação balanceada”, declara Lottenberg ao Jornal da USP no Ar. O especialista conta que de 30% a 40% das internações hospitalares ocorrem em pacientes diabéticos. Muitos deles descobrem a doença no leito do hospital, o que leva a complicações. Hoje, as principais medicações são disponíveis gratuitamente na rede pública, com apresentação de receita.

Existe também o pré-diabete. São os pacientes predispostos física e geneticamente, já denunciando complicações, principalmente cardiovasculares. “Se identifica esses indivíduos, e se faz uma prevenção mais profunda”, diz o endocrinologista. São pessoas sedentárias, com hipertensão, obesidade e parentes diabéticos.

O diabete tipo 1, em geral, aparece na infância. É o resultado de um processo autoimune, no qual anticorpos atacam as células do pâncreas e limitam a produção de insulina — hormônio que induz à absorção de glicose pelas células. Já no tipo 2, há um fator de resistência à ação da insulina, normalmente associado à obesidade. Lottenberg aponta a existência de outros tipos genéricos, relacionados à pancreatite, ou expresso por alguns genes específicos.

O médico destaca que a prevenção e o tratamento evoluíram muito nos últimos anos. “Há 30 anos, o diabete nos consultórios e ambulatórios significava pessoas cegas, neuropatias, problemas renais. Hoje, isso é muito menos frequente em função do avanço do conhecimento e das medicações. Isso não quer dizer que não devamos estar extremamente vigilantes”, afirma.

Ouça a entrevista na íntegra no player acima.

1 COMENTÁRIO

  1. Virtually all of whatever you mention happens to be astonishingly appropriate and it makes me ponder why I hadn’t looked at this with this light before. This particular article truly did switch the light on for me personally as far as this specific topic goes. But at this time there is actually 1 issue I am not necessarily too comfy with so whilst I make an effort to reconcile that with the actual core theme of your position, let me observe just what all the rest of your subscribers have to say.Very well done.

ESCREVA SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui