Flamengo vence River de virada com dois de Gabigol, é bicampeão da Libertadores e vai ao Mundial da Fifa

Aos 43 minutos, quando as esperanças se esvaiam, Pratto perdeu bola no ataque, o Flamengo contra-atacou em velocidade e Arrascaeta cruzou rasteiro. Gabigol, sempre ele, apareceu livre no segundo pau para só empurrar para as redes e empatar.

Reprodução Foto: ESPN Brasil

Francisco de Laurentiis, de Lima (Peru)

“E agora o teu povo pede o mundo de novo”, cantou a torcida flamenguista durante os últimos dias em Lima, capital do Peru.

Pois agora o mundo pode ser rubro-negro de novo.

Neste sábado, o Flamengo conseguiu uma virada relâmpago nos minutos finais do jogo, venceu o poderoso River Plate por 2 a 1 e sagrou-se campeão da Copa Libertadores pela 2ª vez em sua história.

Santos Borré abriu o placar para os argentinos na primeira etapa, aproveitando uma bobeada incrível da zaga carioca.

No entanto, quando a esperança se esvaia na segunda etapa, Jorge Jesus foi para o tudo ou nada e foi recompensado.

Ele tirou Willian Arão e colocou Vitinho, deixando o time sem volantes.

O Fla foi com tudo para cima e virou o jogo com dois gols de Gabigol. No primeiro, Arrascaeta cruzou rasteiro e ele apareceu livre no segundo pau para empurrar. O River ficou baqueado, e Gabigol fuzilou de perna esquerda para guardar o segundo e dar o título aos brasileiros.

Agora, o Mengão precisa de apenas mais uma vitória para garantir também o título do Brasileirão, mas já pensa em um possível novo confronto contra o Liverpool no Mundial.

Se a torcida pede o mundo de novo, o Flamengo já mostrou que pode dar.

Neste domingo, a partir das 9 horas (de Brasília), o SportsCenter acompanha a chegada do Flamengo ao Rio de Janeiro e TODA a festa do título. Marcela Rafael comanda o programa com as análises de Fábio Luciano e o Mauro Cezar Pereira direto de Lima.


Ficha técnica

Flamengo 2 x 1 River Plate

 Gols: RIVER PLATE: Santos Borré; FLAMENGO: Gabigol (2x)

FLAMENGO: Diego Alves; Rafinha, Rodrigo Caio, Pablo Marí e Filipe Luís; Willian Arão (Vitinho), Gerson (Diego), Éverton Ribeiro, Arrascaeta, Bruno Henrique; Gabigol. Técnico: Jorge Jesus

RIVER PLATE: Armani; Montiel, Martínez Quarta, Pinola e Casco (Paulo Díaz); Ignacio Fernández (Julian Álvarez), Enzo Pérez, Palacios e De La Cruz; Borré (Pratto) e Matías Suárez. Técnico:Marcelo Gallardo


 Estatísticas

3º gol de Santos Borré na Libertadores – ele é o artilheiro do River no torneio

Foi o 6º gol de Santos Borré em mata-matas de Libertadores desde a edição 2018 do torneio

Foi 4º gol marcado pelo River antes dos 15 minutos de jogo nesta Libertadores

59% de posse de bola teve o Flamengo no primeiro tempo. No entanto, isso só resultou em finalização

18 faltas fez o River no 1º tempo – foi o 2º maior número de faltas em um 1º tempo em toda a Libertadores 2019

FLA DÁ BOBEADA, RIVER APROVEITA

Como era de se esperar, o jogo começou bastante nervoso em Lima. Os dois times faziam muitas faltas, e as reclamações com o árbitro Roberto Tobar eram constantes.

A partida, inclusive, teve que ficar paralisada por alguns minutos depois que Rodrigo Caio dividiu de cabeça com Santos Borré e ficou sangrando.

Com o tempo, porém, o River foi passando a ficar mais com a bola, empurrando o Flamengo para seu campo de defesa. E, aos 14 minutos, isso se provaria fatal.

Em uma cobrança de lateral pela esquerda, a defesa rubro-negra deu mole e deixou os argentinos virarem o jogo para a direita.

Nacho Fernández chegou à linha de fundo e cruzou fraco para o meio da área, mas Willian Arão e Gerson deixaram a bola passar. Borré, então, chutou no canto de Diego Alves, sem qualquer chance de defesa.

Explosão de alegria da torcida millonaria em Lima!

O Fla sentiu o gol, e o River seguiu melhor, quase ampliando aos 20 minutos: Martías Suárez escapou pela esquerda e cruzou para De La Cruz, que chegou para fuzilar, mas acabou furando.

O time de Jorge Jesus tentava chegar ao ataque com arrancadas de Bruno Henrique, pela esquerda, e Rafinha, pela direita, mas o time de Buenos Aires marcava bem e ainda minava o jogo com faltas táticas.

A equipe de Gallardo era muito melhor na partida, e teve mais uma boa chance aos 36, quando Palacios arriscou de fora da área e viu seu chute quase surpreender Diego Alves – para sorte do goleiro brasileiro, a bola saiu por pouco.

E o panorama não se alterou até o final do primeiro tempo: um Fla inofensivo pouco assustou, e o River segurou a vantagem.


NÚMEROS MOSTRAM FLAMENGO INOFENSIVO

Os números do primeiro tempo comprovam que o Flamengo pouco conseguiu fazer contra um adversário muito experiente e bem treinado.

Durante toda a primeira etapa, a equipe carioca teve 59% de posse de bola, mas só finalizou uma vez: um chute de longe de Bruno Henrique que não levou qualquer perigo ao gol defensivo por Armani.

O River, por sua vez, finalizou três vezes, levando perigo em todas as vezes que chegou à meta de Diego Alves.

Além disso, o clube de Buenos Aires soube controlar a partida por meio de faltas táticas.

Foram 18 durante a etapa inicial, picotando a partida e impedindo que o Fla saísse jogando – os brasileiros só fizeram seis faltas.


FLAMENGO PERDE CHANCE INCRÍVEL

A segunda etapa começou agitada no Estádio Monumental.

Logo com 1 minuto, Gabigol arriscou de fora da área, em seu 1º chute na partida, mas Armani agarrou firme. Resposta do River pouco depois: Matías Suárez fez o giro na meia-luta e finalizou rasteiro, mas para fora.

O Fla tentava se achar em campo, e perdeu uma chance inacreditável aos 11: Gabigol fez ótimo pivô e deu para Bruno Henrique, que invadiu a área e cruzou rasteiro.

A bola cruzou toda a pequena área e achou Gabigol, que chutou na zaga. Ainda assim, ela sobrou de novo para o Fla, mas Everton Ribeiro bateu de perna direita em cima de Armani, que fez a defesa sem dar rebote.

Os torcedores brasileiros ficaram incrédulos, já que a oportunidade de empatar foi muito clara.

Os flamenguistas ainda reclamaram de possível pênalti de De La Cruz no lance, já que a batida de Gabigol resvalou em seu braço antes de cair nos pés de Everton Ribeiro. Segundo Renata Ruel, analista de arbitragem da ESPN, porém, o juiz acertou ao não assinalar a penalidade máxima.

“O braço está junto ao corpo. Se não bate no braço, bateria no corpo e não cria um bloqueio com ganho tático”, explicou.

Aos 20 minutos, Gerson sentiu dores e pediu para sair. Jorge Jesus, então, apostou na entrada de Diego no Flamengo.


JESUS VAI PARA O TUDO OU NADA E É RECOMPENSADO COM O TÍTULO

O River fazia o tempo passar, enquanto o Flamengo era obrigado a correr trás do empate. A torcida rubro-negra cantava alto e empurrava sua equipe, mas os argentinos controlavam na defesa.

Aos 30 minutos, o time de Jorge Jesus procurou o empate em dois lances de efeito: primeiro, Arrascaeta tentou bicicleta, e a bola explodiu na zaga. Na sobra, Diego deu de voleio, mas isolou por cima.

Nos minutos finais, o time brasileiro se lançou ao ataque, com Bruno Henrique e Gabigol tentando resolver.

Ficou exposto ao contra-ataque, com o River levando perigo nas bolas lançadas para o experiente Lucas Pratto, que ingressou no lugar de Santos Borré.

Jesus, então, foi para o tudo ou nada, colocando Vitinho na vaga de Arão e ficando sem volantes em campo. E a estratégia funcionou!

Aos 43 minutos, quando as esperanças se esvaiam, Pratto perdeu bola no ataque, o Flamengo contra-atacou em velocidade e Arrascaeta cruzou rasteiro. Gabigol, sempre ele, apareceu livre no segundo pau para só empurrar para as redes e empatar.

O River sentiu o golpe, e o Rubro-Negro aproveitou da melhor forma possível. No ataque seguinte, Gabigol recebeu lançamento, ganhou dos marcadores e enfiou uma bomba de perna esquerda para vencer Armani e virar o jogo!

Um urro flamenguista tomou conta de Lima.

A América é rubro-negra pela segunda vez.


PRÓXIMOS JOGOS

O Fla volta a campo no meio de semana que vem para enfrentar o Ceará. Mas amanhã fica de olho na televisão para ser campeão brasileiro – fica com a taça já se o Palmeiras não vencer o Grêmio, às 16h.

  • Quarta-feira, 27/11, 21h30: Flamengo x Ceará

O River Plate é o atual 4º colocado do Campeonato Argentino, mas com apenas um ponto a menos que o líder Boca Juniors. O time também está na final da Copa da Argentina.

  • Sábado, 20/11, 21h45, Newell’s Old Boys x River Plate – Campeonato Argentino

 

ESCREVA SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui