Piñera aposta em nova Constituição no Chile e garante que vai punir violência policial nas ruas

Após um mês de protestos, país registra 23 mortos e 217 pessoas atingidas nos olhos por disparos, sob denúncias de excessos da polícia e das Forças Armadas

Manifestantes usam tapa-olhos em protesto em Santiago.IVAN ALVARADO (REUTERS)

Após um mês de protestos, país registra 23 mortos e 217 pessoas atingidas nos olhos por disparos, sob denúncias de excessos da polícia e das Forças Armadas

ROCÍO MONTES

O presidente Sebastián Piñera fez na noite deste domingo um pronunciamento oficial no Palácio de La Moneda para avaliar o acordo político da madrugada de sexta-feira, envolvendo quase todas as forças políticas do país, para a realização de um plebiscito em abril de 2020 que defina o futuro da Constituição de 1980. “Se a população assim decidir, avançaremos para uma Constituição, a primeira elaborada em plena democracia e aceita e respeitada por todos”, afirmou o mandatário sobre o esforço conjunto tanto do Governo como de boa parte da oposição parlamentar para restabelecer a ordem pública e controlar a eclosão social, que nesta segunda-feira completa um mês. “Será o grande marco que dará unidade, legitimidade e estabilidade a nossa democracia e convivência social e nos permitirá processar e resolver as legítimas diferenças que surgirem em nossa sociedade”, afirmou Piñera, que deixou transcorrerem quase três dias antes de mencionar o fato mais importante da história política recente do Chile.

O presidente Piñera se referiu neste domingo também às acusações de violações dos direitos humanos contra as Forças Armadas e da Ordem neste mês de protestos, onde gigantescas manifestações pacíficas se conjugaram com a ação de grupos violentos que causaram estragos que somam 4,5 bilhões de dólares (18,9 bilhões de reais) só em itens de infraestrutura.

É uma das maiores complexidades que seu Governo enfrenta há semanas. “Em alguns casos não se respeitaram os protocolos, houve uso excessivo da força, foram cometidos abusos ou delitos e não se respeitaram os direitos de todos”, reconheceu o presidente sobre a ação policial. “Quero expressar minha solidariedade e condolências com as vítimas desta violência, com os que sofreram lesões, e muito especialmente com os familiares daqueles que perderam suas vidas”, acrescentou, em referência às 23 pessoas que morreram desde que a crise estourou, em 18 de outubro – inicialmente como um protesto contra o aumento nas passagens de metrô da capital.

“Não haverá impunidade e nosso Governo fará todos os esforços para assistir às vítimas em sua recuperação e para que o Ministério Público e a Justiça cumpram sua missão de investigar e fazer justiça”, comprometeu-se Piñera.

Os Carabineiros, instituição encarregada de controlar a ordem pública e a segurança no Chile, enfrentam um cenário delicado: nesta crise, ficaram claras as deficiências em seus protocolos e a necessidade de modernização. O Instituto Nacional de Direitos Humanos (INDH) informou que 217 pessoas sofrem ferimentos oculares devido ao uso de balas de borracha. Como nem o protesto nem a violência se extinguiram com o acordo político por uma nova Constituição, na noite de sexta-feira houve um novo incidente na praça Baquedano, o epicentro das concentrações em Santiago. Um jovem morreu de ataque cardíaco durante a manifestação, um fato que ainda está sendo investigado. Segundo denunciou o Serviço de Atendimento Médico de Urgências (SAMU), a equipe médica que o socorria recebeu disparos de balas de borracha e bombas lacrimogêneas dos Carabineiros enquanto tentavam salvar a vida do rapaz.

Mas, além de antecipar que o próximo acordo de seu Governo estará focado na previdência, o presidente fez um resumo dos difíceis dias que a democracia chilena vem enfrentando. “O desenlace final destas quatro semanas ainda não está escrito”, reconheceu o presidente. “Depende de nós construirmos e percorrermos os caminhos que conduzam nosso país a um bom porto.”

Na terça-feira passada, o Chile viveu horas delicadas. Logo depois de uma jornada de paralisação nacional promovida pela Mesa de Unidade Social – composta por 200 organizações sindicais, de direitos humanos, ambientais e de povos nativos, entre outras –, as concentrações derivaram em uma das mais graves jornadas de violência desde o início dos protestos, há um mês. Além de saques a lojas e ataques a edifícios residenciais, comitês de partidos políticos e até sedes diplomáticas – foram pelo menos 30 incêndios em todo o país –, houve tentativas de invasão de pelo menos 20 quartéis policiais, segundo a informação oficial do Ministério do Interior, sendo a maioria na capital.

Nesse contexto, o presidente cogitou devolver os militares às ruas para tentar recuperar a ordem pública, o que teria interrompido os diálogos políticos entre o Governo e a oposição no Parlamento, que em meio à crise possibilitou acordos em questões fundamentais como a reforma tributária. Mas o presidente, nas horas de maior complexidade desde o retorno à democracia em 1990, decidiu finalmente fazer uma conclamação transversal à paz. Nas horas seguintes, seu apelo foi acolhido pela maior parte do espectro político e, após 48 horas de intensas negociações no Congresso, chegou-se ao histórico acordo de convocação do plebiscito de abril que decidirá se os cidadãos querem substituir a carta fundamental de 1980. Como parece evidente que se optará por isso – 8 em cada 10 chilenos assim desejam, segundo as pesquisas –, os chilenos definiriam paralelamente o mecanismo para sua substituição: se uma “convenção constitucional” com membros completamente novos, que funcione paralelamente ao Congresso com funções constituintes, ou uma “convenção mista” composta por 50% de parlamentares e outros 50% de delegados.

O acordo político pelo plebiscito para alterar a Constituição no Chile não acalma os setores radicais. Para esta segunda-feira está convocada uma nova concentração para celebrar um mês da revolta, e a Mesa de Unidade Social – que rejeita os termos em que o novo caminho constituinte foi negociado – marcou mais jornadas de protestos e uma nova greve geral. Neste domingo, uma das principais líderes da Frente Ampla de esquerda, Beatriz Sánchez, foi insultada no centro do Santiago por grupos de manifestantes que recriminaram o apoio de boa parte de seu grupo político ao acordo por uma nova Constituição, que consideram insuficiente.

ESCREVA SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui