Poloneses celebram os 75 anos do Levante de Varsóvia

Após cinco anos de repressão e terror, em 1º de agosto de 1944 os habitantes da capital da Polônia se insurgiram contra a ocupação nazista. O desfecho trágico da rebelião ainda marca as relações teuto-polonesas.

Combatentes poloneses no Levante de Varsóvia de 1944

 

Após cinco anos de repressão e terror, em 1º de agosto de 1944 os habitantes da capital da Polônia se insurgiram contra a ocupação nazista. O desfecho trágico da rebelião ainda marca as relações teuto-polonesas.

É raro um alto político alemão visitar a capital polonesa nos jubileus da Revolta de Varsóvia. O então presidente Roman Herzog esteve lá 25 anos atrás, pediu perdão às vítimas diante do memorial para as vítimas da revolta. Apenas dez anos depois, em 2004, um chanceler federal, o social-democrata Gerhard Schröder, visitou o local. “Nós nos curvamos envergonhados diante dos crimes das tropas nazistas”, declarou, mencionando a “mácula alemã”.

Nenhum outro acontecimento histórico marcou tanto a autoimagem de Varsóvia quanto o levante de 1º de agosto de 1944. Isso se deve, sobretudo, ao grande número de vítimas, pois os alemães esmagaram a insurreição com especial brutalidade. Foram mortos até 200 mil cidadãos, a maioria civis, também em execuções em massa, quase um terço deles logo no início dos combates. Centenas de milhares foram deportados para trabalhos forçados, muitos em campos de concentração. Até hoje, a rebelião lança uma sombra sobre as relações teuto-polonesas.

Esse fato torna mais positiva ainda a participação do ministro alemão do Exterior, Heiko Maas, no 75º aniversário do evento, a convite de seu homólogo polonês, Jacek Czaputowicz. Isso coincide com um momento em que partem do partido governista Lei e Justiça (PiS) clamores cada vez mais fortes por reparações pela Segunda Guerra Mundial. A destruição perpetrada em 1944 desempenha um papel central nessas exigências: em 2004 o então prefeito e futuro presidente Lech Kaczynski calculou em 45 bilhões de dólares os danos à cidade.

Antes mesmo da data comemorativa, Maas louvou a resistência e coragem com que os poloneses se opuseram à ocupação alemã, mostrando um poderoso desejo de liberdade e autodeterminação. “A Polônia, e em especial Varsóvia, realizou com suas próprias forças a reconstrução após a guerra. Isso me inspira grande respeito e profunda humildade.”

A destruição de Varsóvia foi precedida por cinco anos de repressão brutal pelos invasores nazistas. Deportações, execuções em grupo e perseguições eram fatos quotidianos. Depois de ter sido abafado com violência, no início de 1943, o Levante do Gueto de Varsóvia, da população judaica, o terror na cidade se exacerbara mais ainda.

Quando a Revolta de Varsóvia irrompeu, em 1º de agosto de 1944, a população local era de quase 1 milhão. Desses, 40 mil eram soldados voluntários do exército clandestino, liderado a partir de Londres pelo governo polonês no exílio. Inicialmente eles se confrontaram com 16 mil homens da Wehrmacht (Exército) e de comandos especiais do grupo paramilitar SS, contingente esse que logo foi reforçado.

A Wehrmacht estava batendo em retirada do Leste, e o Exército Vermelho da União Soviética avançava. “Os alemães planejavam fazer de Varsóvia uma fortaleza, o que significava que a cidade seria totalmente destruída”, lembrou, durante a abertura de uma mostra em Berlim sobre a Revolta de Varsóvia, Leszek Zukowski, o presidente da maior organização polonesa de veteranos. “Queríamos evitar isso e libertar a cidade, nós mesmos.” Ele se juntara ao exército clandestino aos 15 anos de idade.

No entanto a insurreição chegou em boa hora para os militares alemães. “É uma bênção os poloneses fazerem isso”, comentou o comandante da SS Heinrich Himmler, um dos principais responsáveis pelas atrocidades nazistas na Polônia.

Em meados de 1944, ele escrevia a Adolf Hitler: “Meu Führer, vamos dar conta em cinco, seis semanas. Mas aí Varsóvia, a capital, a cabeça, a inteligência desse antigo povo de 16 a 17 milhões de poloneses, estará obliterada.” Logo nos primeiros dias da rebelião, os nazistas executaram 50 mil civis.

Os rebeldes torciam por ajuda de fora, porém no mais das vezes os fornecimentos de armas, munição e alimentos lançados pelos Aliados ocidentais de paraquedas erravam o alvo. E o Exército Vermelho estacionou na outra margem do rio Vístula e não avançou mais: o ditador Josef Stálin não tinha interesse em ajudar o exército popular polonês, liderado pelo governo exilado anticomunista. Em 1º outubro, após 63 dias de resistência, os insurgentes capitularam.

Em seguida, por ordem pessoal de Hitler, Varsóvia foi quase inteiramente destroçada. Explodiram-se 90% de todos os edifícios históricos, inclusive o palácio real, assim como todas as pontes e prédios industriais. No outono de 1944, só alguns milhares de habitantes sobreviviam em meio às ruínas do núcleo urbano.

Durante décadas, o regime comunista calou sobre o que acontecera na capital da Polônia, só em 1989 se iniciaria uma discussão pública a respeito. Mesmo que o heroísmo dos insurgentes tenha sido sempre colocado em primeiro plano, atualmente também se questiona o enorme derramamento de sangue.

Hoje, centenas de placas espalhadas pela cidade recordam os combates de 1944. No muro da Catedral de São João, na cidade histórica, onde se localizava um posto de defesa dos rebeldes, está incrustada uma corrente de tanque de guerra: os nazistas demoliram a igreja usando um tanque comandado à distância e carregado de explosivos. Um local de recordação especial é o Museu da Revolta de Varsóvia, inaugurado em 2004.

Nesta quinta-feira, ao participar dos eventos em Varsóvia que relembram o levante, o ministro Maas, a exemplo de outros políticos alemães que visitaram a capital da Polônia no passado, expressou que sente vergonha pelo que as tropas nazistas fizeram. “Tenho vergonha do que foi feito ao seu país por alemães e em nome da Alemanha. E eu tenho vergonha que essa culpa foi mantida em silêncio por muito tempo depois da guerra”, disse o ministro.

Maas também expressou seu apoio à construção de um memorial em Berlim às vítimas polonesas do Terceiro Reich – uma iniciativa que conta com apoio de vários deputados alemães.

Às 17h00 em ponto (12h em Brasília), ainda está previsto que sirenes toquem na capital polonesa. Transeuntes e carros vão parar: a capital polonesa se paralisa num minuto de silêncio.

ESCREVA SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui