Sarampo avança 1.034% e São Paulo amplia ações de vacinação

No período de seis dias, ocorreram mais 331 casos de sarampo na capital paulista; empresas que recusarem a vacinação poderão ser fechadas

Casos evoluíram de 32 para 363 dentro de seis dias Marcelo Camargo/Agência Brasil

No período de seis dias, ocorreram mais 331 casos de sarampo na capital paulista; empresas que recusarem a vacinação poderão ser fechadas

Por Agência do Estado

Entre 17 de junho e esta segunda-feira, (22) o número de casos confirmados de sarampo na capital paulista passou de 32 para 363 (avanço de 1.034%), dos quais 70 são autóctones (contraídos no município). Para conter o avanço, a campanha de vacinação de jovens de 15 a 29 anos, público-alvo da ação, será realizada nas escolas e nos batalhões da PM. Empresas que se recusarem a colaborar com as ações de bloqueio podem ser fechadas por 21 dias.

Uma campanha com o público-alvo, que tem menos chance de ter completado o esquema vacinal do sarampo – composto por duas doses, está sendo realizada desde 10 de junho. No entanto, apenas 6% dessa população se vacinou.

O prefeito Bruno Covas (PSDB) informou que ações para combater fake news relacionadas às vacinas – que estariam atrapalhando a imunização – e a capacitação de profissionais com foco na doença também estão sendo realizadas. “Essa questão não envolve só a Secretaria de Saúde. Temos 45 mil alunos na aprendizagem de jovens e adultos. Não é um desafio a ser vencido só pelo poder público, mas envolve a responsabilidade de toda a sociedade.”

Segundo o secretário de Estado de Educação, Rossieli Soares, uma campanha de conscientização será feita com os jovens. “É muito importante olhar para o público-alvo, porque temos grande parte desse público e as taxas de sucesso são muito maiores quando há parcerias desse tipo.”

De acordo com o secretário Municipal de Saúde, Edson Aparecido, a meta é vacinar aproximadamente 3 milhões de jovens. “Um caso da doença pode contaminar de 11 a 18 pessoas. Sarampo não é uma gripe, é uma doença que mata.”

Coordenadora de Vigilância em Saúde, Solange Maria Saboia e Silva disse que há cerca de 800 casos em investigação – avanço de 444%, em relação aos 147 em análise há um mês. A circulação do vírus começou em fevereiro, a partir de casos importados de Israel, Malta e Noruega. “Temos verificados vários surtos de pessoas que trouxeram o vírus e estamos fazendo todos os esforços para evitar epidemia. Temos bairros com maior circulação, mas não existem regiões em que as pessoas não precisam se vacinar. Todas as regiões estão sujeitas à circulação da doença.”

A vacinação já está ocorrendo em parques, no transporte público, em shoppings e também será levada para os batalhões da Polícia Militar. ” Toda a estrutura da instituição estará disponível como ponto de vacinação”, afirma Marcelo Vieira Salles, comandante-geral da PM.

Bloqueio

As ações de bloqueio, quando há casos suspeitos da doença e a população é vacinada, serão rígidas com estabelecimentos particulares que se negarem a receber as equipes de vacinação. “Vamos fechar por 21 dias se não deixarem vacinar”, diz Aparecido.

Segundo ele, já ocorreu uma situação de uma empresa que se negou a realizar a imunização e, após saber que poderia ser fechada pelo período, permitiu a atuação dos agentes. Neste ano, foram realizadas 1.185 mobilizações dessa natureza.

Ainda de acordo com o secretário, condomínios e empresas que desejarem realizar campanhas de imunização podem também acionar a secretaria e solicitar o trabalho das equipes.

Devo tomar o reforço da vacina contra o sarampo? Caso tenha o registro das duas doses da vacina na carteira de vacinação, sendo a primeira dose tomada após 1 ano de idade, não precisa tomar o reforço, segundo o pediatra Juarez Cunha, presidente da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm). Somente após o ano 2000 é que a vacina contra o sarampo passou a ser ministrada em duas doses no país. Portanto, quem nasceu antes de 2000 provavelmente não tomou a segunda dose e deve tomar o reforço. A vacina monovalente, que era ministrada em uma única dose antes de 1 ano de idade, não era tão eficaz como a trivalente, oferecendo apenas 70% de proteção, por causa da interferência dos anticorpos da mãe, explica o médico

 

ESCREVA SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui